TPA – Troca Periódica de Água na Aquaponia

Uma das vantagens do sistema de aquaponia é a economia de água. Se levarmos em consideração que a água é utilizada para irrigar as plantas, estima-se uma economia de 90%, se compararmos com a irrigação “normal”.

É importante, no entanto, estar atento à qualidade da água. Com o tempo, são grandes os riscos de se acumularem partículas que podem ser nocivas aos peixes.

Na natureza, a água se renova. Deve-se entender a natureza como um ciclo complexo, infinitamente mais completo que um sistema aquapônico simples. Existem inúmeros fatores que acabam interferindo na qualidade da água na natureza, como por exemplo o solo (e sua composição), a chuva, rios e lagos, peixes, plantas, que a todo instante trabalham de forma conjunta, permitindo que o sistema permaneça em equilíbrio.

Já em um sistema aquapônico, mesmo como um sistema eficiente de filtragem, a água pode ter sua composição alterada. Partículas que podem passar despercebidas a olho nu podem ser nocivas para os peixes e plantas. Como exemplo temos o muco epitelial dos peixes, ácidos, proteínas.

Dessa forma, é recomendado um procedimento chamado de TPA – Troca Periódica de Água. Através da TPA, pode-se dizer que a água se renova.

A TPA, em aquários, é feita com relativa frequência. Descarta-se uma porcentagem pequena de água (em torno de 10% a 20%), e completa-se com água limpa (sem cloro, por exemplo).

Essa porcentagem, onde se mantém os 80% ou 90% de água anterior, não afeta de forma significativa a biologia que já reside na água. Lembra-se da ciclagem? Das bactérias?

Os peixes são muito sensíveis à mudanças bruscas de água. Dessa forma, mantendo-se esse percentual baixo para as trocas, como periodicidade mensal, por exemplo, não há riscos significativos.

Dica 1: ao realizar uma TPA, não troque ou lave as mídias filtrantes. Nos sistemas de aquaponia, tais mídias normalmente são a argila expandida, ou as pedras brita, ou os pedaços de tijolos, onde estão instaladas as colônias de bactérias. Evita-se, assim um desequilíbrio na biologia instalada.

Dica 2: realize a TPA descartando os resíduos dos filtros, ou então, fazendo uma sifonagem simples do tanque de peixes, usando uma mangueira. Com o tempo, certos detritos podem se acumular, e não serem “sugados” pelo overflow. Caso você não tenha uma peneira simples, basta usar a mangueirina imersa na água, que ao ser colocada uma ponta para fora, irá drenar os sedimentos.

Tanque de peixes sempre limpo

No sistema de aquaponia, a idéia central é de que a água leve os dejetos dos peixes para as plantas, e retorne limpa.

Para que a água leve os dejetos (ou para os filtros, que irão reter a sujeira mais grossa, ou para as camas de cultivo, que servirão de filtros diretamente), é preciso tomar diversos cuidados.

O primeiro deles é em relação à saída da água. O ideal é que o tanque de peixes não tenha uma saída na parte de baixo. Confira na imagem:

Saída de água por cima
Saída de água por cima

 

Perceba que a água é “sugada” do fundo, à medida em que mais água entra no tanque. Ao mesmo tempo em que o nível da água aumenta no tanque, ela precisa escapar para algum lugar. Como o cano na parte de cima é aberto, necessariamente a água é puxada pela parte de baixo. Dessa forma, os dejetos dos peixes são “aspirados”, mantendo a água limpa.

Overflow
Overflow

 

Esse sistema é conhecido como Overflow. O Overflow deve ser projetado de forma a não encostar diretamente no fundo do tanque, para que ele mesmo não impeça o escape da água. Isso pode ser feito através de pequenos “dentes” e “janelas”, que ao mesmo tempo sustentam o cano, e permitem a passagem da água com os dejetos.

Base overflow
Base overflow

 

Recomenda-se não se fazer o furo para o dreno da água na parte de baixo, nem mesmo embaixo do tanque de peixes. Há o risco da água escoar, por diversos motivos: flange mal instalada, vazamentos, pressão da água.

Caso a água escape, são grandes as chances dos peixes não resistirem, seja pela pouca água que sobrar, ou pela nova água que for colocada, e que provavelmente não estará ciclada.

Como iniciar um sistema de Aquaponia

Para se iniciar um sistema de aquaponia, é importante entender alguns conceitos fundamentais.

O primeiro deles diz respeito à integração entre os peixes, as bactérias e as plantas. Saiba mais no post abaixo:

O que é Aquaponia?

 

Montar um sistema aquapônico não é difícil. São necessários alguns itens principais, como o tanque de peixes, sistema de filtragem (utilizando baldes, bombonas, etc), camas de cultivo (caixas de massa de pedreiro), canos e peças de encanamentos diversos, e uma bomba de aquário ou de máquina de lavar roupas. Confira os detalhes nos posts a seguir:

Como construir um sistema de aquaponia

O Tanque de Peixes

Os filtros

Lemna, ou lentilha dágua

Uma das formas de se alimentar os peixes é cultivar a Lemna, ou lentilha d’água.

Lemna ou lentilha d'água
Lemna ou lentilha d’água

 

Segundo a Wikipedia:

Lemna minor é uma pequena planta aquática, conhecida pelo nome comum de lentilha-de-água, com distribuição cosmopolita.

Apresenta uma morfologia muito simplificada com o seu corpo vegetativo reduzido a uma estrutura taloide semelhante a uma minúscula folha flutuante. Os talos são oblongos, com 3 nervuras destacadas. As plantas submergem ligeiramente para florescer.

Cresce com tanta rapidez e eficiência que pode provocar grandes danos, como é o caso do Lago de Maracaibo, eutrofizado em resultado dos fertilizantes residuais das plantações circundantes, onde a espécie cresceu de forma incontrolada. Desde a sua aparição no lago, o problema tem aumentando progressivamente, tendo sido já medidos mais de 136 000 ha de Lemna.

De fato, a Lemna cresce muito rápido. Pelo vídeo abaixo, podemos ver que ela dobra sua quantidade, de forma exponencial, a cada 3 dias.

 

Peixes como carpas, cascudos e kinguios parecem gostar da lemna. Fonte de proteínas e fibras, podem ser utilizadas como complemento à ração.

São várias as formas de cultivar a Lemna no sistema aquapônico. Uma delas, é o cultivo em paralelo ao tanque de peixes. Pode-se utilizar uma cama de cultivo, com um Sifão de Bell, da mesma forma utilizada com as plantas na argila expandida.

Cama de cultivo com Lemna
Cama de cultivo com Lemna

 

Dessa forma, as Lemnas podem ser retiradas manualmente, sendo oferecidas aos peixes. Ou ainda, de forma automática via Sifão de Bell. Um Sifão de Bell bem regulado pode drenar, periodicamente, as Lemnas que estiverem em excesso na cama de cultivo.

Outra forma é cultivar a Lemna no próprio tanque de peixes, utilizando uma peneira, por exemplo. Com a peneira boiando (pode-se utilizar uma mangueira, ou isopor), ou suspensa, mas sempre em contato com a água, as Lemnas ficam isoladas, e crescem normalmente. Somente o excesso é consumido pelos peixes, que pode tentar se alimentar sozinhos, puxando as Lemnas pelas raízes.

Cultivo de Lemnas
Cultivo de Lemnas

 

 

Se você tiver interesse, estamos vendendo a Lemna no Mercado Livre. Entre em contato conosco e faremos o possível para que você consiga iniciar o cultivo dessa plantinha.

http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-887656724-planta-flutuante-lemna-minor-lentilha-dagua-frete-gratis-_JM