Lemna, ou lentilha dágua

Uma das formas de se alimentar os peixes é cultivar a Lemna, ou lentilha d’água.

Lemna ou lentilha d'água
Lemna ou lentilha d’água

 

Segundo a Wikipedia:

Lemna minor é uma pequena planta aquática, conhecida pelo nome comum de lentilha-de-água, com distribuição cosmopolita.

Apresenta uma morfologia muito simplificada com o seu corpo vegetativo reduzido a uma estrutura taloide semelhante a uma minúscula folha flutuante. Os talos são oblongos, com 3 nervuras destacadas. As plantas submergem ligeiramente para florescer.

Cresce com tanta rapidez e eficiência que pode provocar grandes danos, como é o caso do Lago de Maracaibo, eutrofizado em resultado dos fertilizantes residuais das plantações circundantes, onde a espécie cresceu de forma incontrolada. Desde a sua aparição no lago, o problema tem aumentando progressivamente, tendo sido já medidos mais de 136 000 ha de Lemna.

De fato, a Lemna cresce muito rápido. Pelo vídeo abaixo, podemos ver que ela dobra sua quantidade, de forma exponencial, a cada 3 dias.

 

Peixes como carpas, cascudos e kinguios parecem gostar da lemna. Fonte de proteínas e fibras, podem ser utilizadas como complemento à ração.

São várias as formas de cultivar a Lemna no sistema aquapônico. Uma delas, é o cultivo em paralelo ao tanque de peixes. Pode-se utilizar uma cama de cultivo, com um Sifão de Bell, da mesma forma utilizada com as plantas na argila expandida.

Cama de cultivo com Lemna
Cama de cultivo com Lemna

 

Dessa forma, as Lemnas podem ser retiradas manualmente, sendo oferecidas aos peixes. Ou ainda, de forma automática via Sifão de Bell. Um Sifão de Bell bem regulado pode drenar, periodicamente, as Lemnas que estiverem em excesso na cama de cultivo.

Outra forma é cultivar a Lemna no próprio tanque de peixes, utilizando uma peneira, por exemplo. Com a peneira boiando (pode-se utilizar uma mangueira, ou isopor), ou suspensa, mas sempre em contato com a água, as Lemnas ficam isoladas, e crescem normalmente. Somente o excesso é consumido pelos peixes, que pode tentar se alimentar sozinhos, puxando as Lemnas pelas raízes.

Cultivo de Lemnas
Cultivo de Lemnas

 

 

Se você tiver interesse, estamos vendendo a Lemna no Mercado Livre. Entre em contato conosco e faremos o possível para que você consiga iniciar o cultivo dessa plantinha.

http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-887656724-planta-flutuante-lemna-minor-lentilha-dagua-frete-gratis-_JM

Desnível

Para a montagem do sistema de aquaponia, é importante que a estrutura de sustentação seja bem planejada.

Cama de cultivo
Cama de cultivo

Muitos serão os erros na construção do sistema. Entretanto, alguns são muito comuns, e podem ser evitados.

O primeiro deles diz respeito ao desnível entre o tanque de peixes, filtros e camas de cultivo.

Desnivel aquaponia
Desnivel aquaponia

O desnível, ou diferença de altura, é fundamental para que a água circule. A circulação ocorre devido à gravidades, que por todo o sistema, fará com que a água sempre desça.

Inicialmente, temos o tanque de peixes, de onde a água sairá, preferencialmente, pela parte de cima.

Tanque de peixes
Tanque de peixes

É importante que não tenhamos a saída da água pela parte de baixo, pois um eventual vazamento na flange (conector do cano externo) pode esvaziar a caixa, matando os peixes.

Um filtro ciclone seria a segunda etapa, e estaria abaixo do tanque de peixes. Repare que estar abaixo significa que o nível da água do filtro ciclone deve estar sempre abaixo do nível da água do tanque de peixes, para que, com esse desnível, a água sempre queria encher o filtro, esvaziando o tanque.

Filtro ciclone
Filtro ciclone

 

Do filtro ciclone, a água iria também por gravidade para o filtro biológico, cujo nível estaria um pouco abaixo do nível do filtro ciclone (e por tabela, abaixo do tanque de peixes também).

No filtro biológico, teríamos a bomba dágua, impulsionando a água para cima, onde estão as camas de cultivo. Repare que o nível mais baixo, nesse sistema, é o do filtro biológico. As camas de cultivo estão no nível mais alto.

Das camas de cultivo, a água retorna para o nível intermediário, que é o tanque de peixes.

Os filtros

Um dos elementos mais importantes do sistema de aquaponia é o filtro.

Filtros são necessários pois a quantidade de dejetos eliminados pelos peixes precisam ser retirados. Além disso, dejetos em excesso podem entupir a bomba d’água, se esta estiver colocada diretamente no tanque.

Outros elementos também podem sujar a água, como plantas em decomposição, penas de pássaros, etc. É importante evitar esse acúmulo.

Existem vários tipos de filtro. Iremos citar como exemplo um sistema com dois filtros bastante simples, e bem eficientes.

No primeiro filtro, utilizamos uma “bombona”, facilmente encontrada em lojas de produtos químicos ou materiais plásticos.

Bombona
Bombona

 

Bombonas são muito práticas por diversos motivos:

  • são feitas de material resistente;
  • preço baixo, ainda mais se forem recicladas;
  • formato circular, importante para movimentos circulares da água;
  • tampas que se fecham com a ajuda de travas de metal.

A primeira bombona fará uma primeira filtragem por decantação.

A decantação é um fenômeno simples, através do qual elementos sólidos, mais densos que a água, acabam afundando. Dessa forma, podem ser retirados com facilidade.

Decantação
Decantação

Esse filtro também é conhecido por filtro de sólidos, filtro ciclone, ou do inglês, swirl filter.

Existem várias formas de se fazer um filtro ciclone. Faremos aqui um filtro ciclone simples.

Inicialmente, a água vem do tanque de peixes por uma flange localizada na parte superior.

Ao entrar no filtro, ela desce por um cano interno até o fundo, onde, com o auxílio de um joelho, irá circular no sentido anti-horário.

A circulação da água formará um redemoinho, o que facilitará a decantação. Daí o nome, filtro ciclone.

Na parte superior, teremos uma outra flange, na mesma altura ou pouco abaixo da primeira flange. Esta flange também deverá estar abaixo do nível do tanque, para que a água continue escoando para o próximo filtro.

Saindo da parte interna da flange, centralizaremos um outro joelho, de forma a captar a água que estará subindo, continuamente, mas sem os resíduos sólidos mais pesados.

Essa água, mais limpa, irá para uma outra bombona, onde faremos uma nova filtragem.

Perceba que, na primeira bombona, temos uma filtragem chamada de “mecânica”, pois não temos química, ou interferências biológicas na filtragem. É uma separação simples, de sólidos e líquidos, apenas por gravidade.

O Tanque de Peixes

A criação de peixes na Aquaponia remete à aquacultura, ou criação de peixes e animais aquáticos.

Criar peixes é uma arte. Entretanto, para fins didáticos voltados para a Aquaponia, nos limitaremos aos conhecimentos básicos, suficientes para a manutenção de um sistema aquapônico equilibrado.

Os peixes utilizados na Aquaponia são os peixes de água doce. Podem ser peixes ornamentais, ou peixes para consumo.

Como exemplos de peixes ornamentais, temos as carpas e os kinguios.

Carpas e Kinguios
Carpas e Kinguios

Para consumo, podemos citar as tilápias.

Tilápia
Tilápia

 

Os peixes normalmente são criados em tanques ou caixas d’água. Também são utilizados piscinas, lagos ornamentais, banheiras, etc.

Um tanque muito utilizado nos Estados Unidos é o IBC. É um tanque voltado para produtos químicos, com uma estrutura metálica.

Tanque IBC
Tanque IBC

 

No Brasil, é mais comum a utilização de caixas d’água.

Caixa d'água
Caixa d’água

 

Antes de colocar os peixes nos tanques, é preciso realizar um procedimento conhecido por Ciclagem.

Imaginemos que a água a ser utilizada no tanque seja a água da chuva. Evitaremos o uso da água encanada, por conter cloro.

Essa água da chuva não está adaptada para os peixes. Isso porque, se colocarmos os peixes diretamente na água, em pouco tempo os dejetos dos peixes, restos de alimentos, etc, irão produzir uma quantidade de amônia que será extremamente tóxica para os próprios peixes.

Para eliminar essa amônia é necessária a presença de bactérias. São as chamadas bactérias nitrificantes, que transforman a amônia em nitrito.

Os nitritos ainda são tóxicos para os peixes. Dessa forma, entram em ação outras bactérias, que transformarão os nitritos em nitratos.

Os nitratos, finalmente, são muito bem absorvidos pelas plantas.

Este é o chamado Ciclo do Nitrogênio.

Ciclo do Nitrogênio
Ciclo do Nitrogênio

 

Para que essas bactérias se desenvolvam no tanque, são necessários alguns estímulos, dando início a um ciclo de 30 a 50 dias.

A Ciclagem deve, portanto, ser monitorada durante esse período, para que se verifique a concentração da Amônia, dos Nitritos e dos Nitratos.

Essa verificação pode ser feita através de kits vendidos em lojas que trabalham com aquários e peixes, ou pela Internet.

Kit Teste Nitrito Nitrato
Kit Teste Nitrito Nitrato

 

O estímulo necessário para que a ciclagem se inicie é o simples  aumento da amônia no local. Como ainda não temos os peixes, esse aumento pode ser feito de várias formas:

  • acréscimo manual de amônia, através de uma solução à base de amônia (amoníaco);
  • acréscimo de ração e plantas em decomposição;
  • ciclagem com peixes, através peixes cicladores, como platis, espadas ou molinésias, mais resistentes (porém, submetidos a um estresse questionável).

Com a amônia no tanque, inicia-se então a proliferação e colonização por parte das bactérias nitrificantes. A reação química que ocorre nesse processo é a seguinte:

Nitrificação
Nitrificação

 

É importante nesse momento explicar onde as bactérias irão se instalar. Normalmente, as bactérias se fixariam em qualquer lugar. Mas para acelerar o processo, facilitando a vida das bactérias, é comum inserir no sistema alguns elementos. Esses elementos são conhecidos como mídias biológicas.

Mídias biológicas nada mais são do que elementos onde as bactérias irão se instalar, e encontrarão um ambiente favorável para o seu desenvolvimento.

Em aquários, são utilizados vários tipos de mídias biológicas. Uma das mais conhecidas é a cerâmica, ou mídia cerâmica, ou discos de cerâmica.

Anéis de cerâmica
Anéis de cerâmica

 

A idéia é simples: os anéis de cerâmica são porosos, permitindo uma grande absorção de água. Ao mesmo tempo em que absorvem água, permitem a entrada e a fixação das bactérias em seus poros, permitindo seu crescimento.

Na aquaponia, é mais comum a utilização de outras mídias biológicas. Não é regra, mas sistemas aquapônicos mais simples tendem a utilizar materiais de fácil acesso, mais em conta.

Uma delas é a argila expandida. Seu preço é baixo, e é feita de material inerte, poroso.

Argila expandida
Argila expandida

 

Mídias biológicas normalmente não são colocadas no tanque de peixes. Elas devem ficar em outra parte do sistema. Os lugares mais comuns onde as mídias biológicas são colocadas são os filtros e as camas de cultivo.

Falaremos mais sobre filtros e camas de cultivo em posts específicos.

 

 

 

Como construir um sistema de aquaponia

Para construir um sistema de aquaponia, são necessários pelo menos os seguintes itens:

  • tanque de peixes;
  • plantas (em vasos, canos ou canaletas, camas de cultivo);
  • bomba d’água (bomba de aquário, bomba de máquina de lavar).
Sistema simples de aquaponia
Sistema simples de aquaponia

 

As seguintes etapas ocorrem nesse sistema:

  • a água do tanque de peixes, sempre na parte mais baixa do sistema, é bombeada para a parte de cima, onde estão as plantas;
  • na parte de cima, temos o local onde as plantas irão receber a água. Essa água contém os dejetos dos peixes, restos de alimentos, etc;
  • a água “suja”, em contato com as pedras (argila expandida, brita, etc) irá ficar menos tóxica, pois a amônia será tratada pelas bactérias que vivem nas pedras;
  • as plantas irão absorver essa amônia “tratada”;
  • a água mais “limpa” escoa de volta para os peixes, por gravidade.

Repare que alguns conceitos importantes se tornam “regras” da aquaponia:

  • as plantas, e o local onde elas estão, se tornam uma espécie de filtro para a água dos peixes;
  • a água dos peixes contém o “adubo” para as plantas.

 

As vantagens da aquaponia são as seguintes:

  • praticamente não há desperdício de água, pois ela fica circulando pelo sistema;
  • não há agrotóxicos, pois os dejetos dos peixes é que fertilizam as plantas;
  • o crescimento é mais rápido do que no solo;
  • praticamente não há insetos, parasitas, pulgões;
  • a produtividade pode ser maior, se o plantio for vertical (canos);
  • para quem cultiva, há o ganho ergonômico, pois não é necessário ficar abaixando para plantar, colher, tratar.

 

Na aquaponia, são poucos os gastos:

  • ração dos peixes;
  • energia elétrica para bombear a água;
  • custo inicial (bomba de aquário, tanque de peixes, peixes, canos e conexões).

 

O sistema mínimo de aquaponia, entretanto, pode apresentar alguns problemas comuns, que demandam tratamentos:

  • acúmulo de dejetos no local das plantas, sendo necessárias limpezas frequentes;
  • desequilíbrio de pH, nitritos e nitratos, por ser um sistema pequeno;
  • dificuldade de encontrar o ponto de equilíbrio entre plantas e quantidade de peixes.

 

Para esses e outros problemas, existem várias alternativas simples, que são implementadas no sistema. Em artigos posteriores iremos citar cada uma dessas alternativas.

O que é Aquaponia?

Aquaponia é a criação de animais na água (peixes, por exemplo), em conjunto com plantas, utilizando a mesma água.

O que é Aquaponia
O que é Aquaponia

 

É bom lembrar que o cultivo de plantas na água é conhecido por Hidroponia.

Dessa forma, Aquaponia é a Hidroponia, associada à criação de peixes (ou outros animais na água).

 

Esse sistema deve estar em Simbiose. Quem fez aulas de Ecologia deve se lembrar do termo, também conhecido por Mutualismo. No Mutualismo, ou Simbiose, temos organismos diferentes que se beneficiam um do outro, convivendo de forma harmoniosa.

Na Aquaponia, temos 3 organismos fundamentais: as plantas, os peixes, e uma colônia de bactérias.

Plantas, peixes e bactérias
Plantas, peixes e bactérias

 

Relembrando as aulas de Biologia, as plantas necessitam de água, luz e gás carbônico para sobreviver. Esses são os “alimentos” das plantas, para que elas possam realizar a Fotossíntese.

É através da Fotossíntese que as plantas iniciam as cadeias alimentares no planeta. O oxigênio e as substâncias orgânicas produzidas na Fotossíntese são a base de sobrevivência para a maioria dos animais.

Fotossíntese
Fotossíntese

 

Os peixes necessitam de água, alimento e oxigênio para sobreviver.

Sistema Respiratório dos Peixes
Sistema Respiratório dos Peixes

 

No ambiente em Simbiose, a água onde os peixes vivem é a mesma água utilizada para molhar as plantas. Esse é o princípio da Aquaponia. Plantas e peixes utilizam a mesma água.

Entretanto, nesse sistema, existem substâncias tóxicas que aparecem naturalmente. São os restos de alimentos, fezes e urinas dos peixes, insetos e plantas em decomposição, etc. Todos esses detritos produzem uma substância química muito prejudicial para os peixes, chamada amônia.

Fórmula química da Amônia
Fórmula química da Amônia

 

Para corrigir esse problema, entram em cena as bactérias, responsáveis pela eliminação da Amônia. Os termos são meio complicados, então explicaremos detalhadamente esse processo em um outro artigo.

O importante a saber é que a Amônia é “alterada” pelas bactérias, deixando de ser tóxica para os peixes. Ainda, essa Amônia “alterada” é bem absorvida pelas plantas, fechando o ciclo.

 

Ciclo do Nitrogênio
Ciclo do Nitrogênio

 

Na Aquaponia, não há a utilização de terra para o cultivo das plantas. As raízes das plantas ficam em contato direto com a água.

Raízes em contato com a água
Raízes em contato com a água

 

A água utilizada circula pelo sistema com o auxílio de uma bomba. A água é bombeada do reservatório (onde estão os peixes) para os locais onde estão as plantas, retornando posteriormente para o mesmo reservatório.

Um dos princípios fundamentais da Aquaponia é a gravidade. É através da gravidade que a água circula pelo sistema. Após ser bombeada para as partes “altas” dos canos ou das camas de cultivo, a água volta por gravidade para os peixes.

Bomba Aquaponia
Bomba Aquaponia

 

Os sistemas mais conhecidos utilizam um tanque de peixes como reservatório. No Brasil, é muito comum a utilização de caixas d’água, que servem como reservatório.

Peixes na caixa d'água
Peixes na caixa d’água

 

As plantas ficam acomodadas em canos ou canaletas. São utilizadas também as chamadas “camas de cultivo”, locais onde as plantas crescem em pedras (brita, argila expandida, cascalho, etc), ou então “boiando” em superfícies de isopor.

Aquaponia com canos
Aquaponia com canos

 

Aquaponia com camas de cultivo
Aquaponia com camas de cultivo

 

Bem vindo ao site Aquaponia Brasil!

Seja bem vindo ao nosso site, Aquaponia Brasil!

Iniciamos aqui um modesto projeto, voltado para a divulgação de informações relacionadas à Aquaponia no Brasil.

Nosso objetivo será tentar organizar todo o conhecimento sobre a Aquaponia, até o momento disperso pela rede, de forma a permitir um rápido acesso para todas as pessoas.

Não temos a pretensão de esgotar o assunto, visto que existem inúmeros sites, grupos, vídeos e literatura.

Gostaríamos, no entanto, auxiliar na medida do possível todos aqueles que tenham interesse no assunto.

Contem conosco, assim como contamos com vocês! Críticas, sugestões, serão muito bem vindas!